sexta-feira, julho 14, 2017

Síndrome da Liberdade (miniconto)





por Rafael Belo


Levei um susto. Já estava para derrubar o celular de novo. Veja só esta tela rachada. Está vendo? Parece moda, mas é modo pobre mesmo... Compensa comprar outro a trocar a tela... Anham... Então, por que tem tantas telas parecendo ter levado uma pedrada?!! Onde eu estava? Ah, sim. Lembrei. O susto... Era a notificação do babaca do meu ex, aquele... Solicitando minha amizade. Amizade? AMIZADE? Fala sério. Agora? Na minha vez de ser livre?!  NÃO! Passou é passado. Acabou está acabado. Eu tenho pressa de viver agora. Seria total burrice e voltar para a bolha agora? Nunca. Eu acabei de estourá-la.

Pronto. Por que as pessoas acham saber os reais acontecimentos dentro de um relacionamento? Fofinhos?! Tão bonitos juntos? Cara! Frase de efeito não. A vida já não vai tão clichê... Não vou falar nada. Não vou prejudicar minha liberdade... Olha isso! Todo mundo ressurgindo das cinzas para dar opinião. Eu mereço! Mereço sair deste aplicativo. Pronto! Pôxa!! Véi! Nem deu tempo... Não vou atender ninguém. Nem adianta. Pode parar! No messenger? Na na ni na não! Sai fora povo! Vão escolher um rolê longe de mim... Se começarem a ligar o desespero dele de ficar sozinho já extrapolou... Poutz! Não devia ter falado... Não vou atender!

Se a pessoa não sabe ficar só, não vai saber ficar de outro jeito. Caraca! Wow! Sai daqui! Gente! Mas... ! Quantas prisões me cercando. Deve ser assim o sentimento do passarinho cercado só tendo o canto triste sem saber sobre as asas cortadas terem crescido... Além disso, apanhou tanto a ponto de enxergar a gaiola aberta a porta direta para a dor. Meu! Na boa! Sai dessa vida! Olha quem está falando! Honestamente. Tudo isso aí é balela! Eu sofri da Síndrome da Liberdade! Bodei por meses sem saber sobre qualquer coisa sobre mim! Esta tudo miado! Aquele miado rasgado de abandono...


Mas, isso é passado. Passado! Desculpe! Eu revivo fácil as coisas... Isso aconteceu há doze meses. Estou na última etapa. Está estilhaçando mesmo e esta tela não vai me permitir aproveitar este lugar! Bom esta Live esta acabando. Se quiserem me ver ao vivo... Bem! Fiquem querendo! Não devo nada a ninguém! Quem precisa saber como estou sabe... Espera! Não! Esta é a ultima etapa. Nada! Nada! Nada! Nada pode me prender! Ninguém precisa ter vínculo se não quiser. Esta é a palavra clichê: ninguém é obrigado! Bom pessoas! Chega de dependências a não ser de mim mesma! Aqui é Laíne Boatrilha direto do meu topo do mundo dando adeus as ultimas prisões e a este celular! Uuuuhuuuuu!! E lá se foi o celular se abrir na estrada e ficar irreconhecível de tantos atropelamentos.

Um comentário:

Maria Belo disse...

...chega de dependênciad...! Bora viver!